ArabicChinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianJapaneseKoreanPortugueseRussianSpanishSwedish

Ex-jogador do Vila Nova e Goiás comenta sobre seus sonhos e vida no Azerbaijão

Muitos brasileiros sonham em jogar futebol e principalmente dar uma vida melhor para a sua família. A maioria dos atletas que jogam no Brasil não ganham altos salários e muitas vezes vão procurar essa estabilidade financeira no futebol do exterior. Esse é o caso do goiano Henrique Moura, que teve passagem por Vila Nova e Goiás e atualmente é zagueiro do Sebail PFK, clube do Azerbaijão.

(Foto: Instagram do jogador)

O zagueiro subiu para os profissionais da equipe do Vila Nova em 2011. Na época com 19 anos acabou disputando o Goianão e a Série B do Brasileirão. No estadual seu time ficou em terceiro lugar, fazendo boa campanha naquele ano. Seu destaque chamou a atenção do Goiás, rival do colorado, que o contratou o contratou no ano seguinte.

Acabou não tendo muitas oportunidades no time do goiano e se transferiu para o tradicional Remo do Pará, onde permanecendo por dois anos, sendo fundamental para o acesso da equipe para a Série B em 2015. Logo depois o atleta rumou para sua primeira oportunidade internacional, dessa vez no Desportivo Saprissa, equipe da Costa Rica. Pela equipe foi campeão nacional e se destacou vestindo a camisa do time.

No ano passado o jogador foi anunciado pelo Sebail, clube do Azerbaijão. O atleta comentou um pouco sobre como surgiu a oportunidade de atuar pelo país.” Um agente do Azerbaijão entrou em contato comigo. Me passou a proposta oficial e deu tudo certo para eu vir,” complementou.

Henrique Moura que também comentou sobre as diferenças entre o futebol brasileiro e o futebol local, e comentou: “Tem bastante diferença.O futebol brasileiro é mais intenso de jogar e no Brasil tem um maior quantidade de jogos e de competições. Aqui por ter apenas oito equipes na liga nacional , acaba que não tem um grande número de jogos”.

O clube do jogador é novo no cenário nacional. O Sebail foi fundado apenas no ano de 2016 e logo depois subiu para a primeira divisão do país. Moura também comentou sobre a história do clube e o planejamento da equipe.”Em 17/18 participou da primeira divisão e ficou em penúltimo lugar. Essa temporada ele se reformulou totalmente e nesse momento estamos em terceiro lugar. Se o campeonato terminasse hoje estaríamos classificados para a Europa League”, citou o jogador.

Henrique Moura citou as suas principais características e pontos positivos. Afirmou que seu jogo aéreo, marcação e velocidade são suas principais virtudes. Também comentou sobre um momento importante na sua passagem pelo país, em um duelo contra o Sabah. A equipe goleou o atual quarto colocado da competição por 4 x 0.

A passagem anterior do atleta foi no Saprissa, na temporada de 2017/18. Além de história, o jogador também aprendeu a falar espanhol, língua oficial do país. Mas um determinado momento do campeonato nacional é relembrado com muito carinho pelo atleta. O time estava perdendo por 3 x 0, isso até os 33 minutos do segundo tempo. Moura descontou para a equipe do Saprissa em duas oportunidades, aos 48 minutos do segundo tempo, quase no apagar das luzes a sua equipe conseguiu o empate.

Sonhos e objetivos também foram assuntos citados pelo jogador, que ao ser perguntado afirmou:”Meu sonho sempre foi poder jogar futebol. Para que quando eu parasse de jogar ter estabilidade financeira. Sou muito grato ao futebol por tudo que me proporciona e proporcionou até hoje. Hoje já tenho uma boa estabilidade financeira e familiar , que foi sempre o que sonhei,” completou.

O país ainda é considerado pouco conhecido do grande público, mas Moura garante que a cidade de Baki, local onde fica o clube, é bastante segura, limpa e moderna. Ele comentou sobre o que faz durante seus dias de folga. “Treino uma vez por dia  e jogo uma vez na semana. Toda semana tenho um dia de folga. Nos tempos livres eu saio para caminhar com minha esposa nos parques . Aqui tem vários. Saímos também para comer e conhecer um pouco do que tem de bonito na cidade.”

Alguns atletas acabam se apaixonando pelos países que atuam e acabam se naturalizando. É os casos por exemplo de Paulinho e Itaparica, que atuam pela seleção de Hong Kong. O Azerbaijão tem o atleta Richard Almeida, que joga no Qarabag e também atua pela Seleção do país. Henrique Moura, afirmou que nunca pensou em naturalizar pelo país, ainda mais pelo fato de que precisa estar alguns anos vivendo no país. Ele também afirma que é pouco contato que tem com seus companheiros de time, ainda mais pelo idioma e também por eles serem mais “fechados”.

Fonte: Torcedores.com